Leque Moleque

(Alceu Valença)

“Primeiro a luz e o verbo depois reluz invenção,
o sopro, o barro, a vida, na carne de uma canção.

É como um sonho, uma reza, um marco de solidão,
a energia dos doidos, motor da imaginação.

E não me peça que eu mate o moleque que mora comigo
ele é feito de barro, é meu lado bandido,
é meu lado palhaço, é meu lado doído.

xirum babá jê jêrêrê ami sem dadá cafi com você

Pii sem Holanda, negão com Luanda
nos braços da noite curtindo pra ver
só o amanhecer iêiêiê
o galo que vai cantar côcôrôcar
a cobra que vai dançar o tchá-tchá-tchá
o bode com seu chapéu, bé-bé-bé-bé
e o palhaço quem é? quá-quá-quá-quá
mas o palhaço quem é? va-len-ça-ça”

0 thoughts on “Leque Moleque

  1. oi marcelo! só agora que vi o comentario em resposta sobre o nao funcionamento do wbloggar que eu fiz esses dias, desculpe viu, sou meio aerea mesmo, ainda sem oculos :P sera que vai demorar muito pra voltar? :*

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.